quinta-feira, 4 de abril de 2013

ATIVIDADE SOBRE VERMINOSES - turma 203

 Pesquisa sobre  verminoses. Os conteúdos abaixo foram produzidos pelos alunos. Este material servirá de apoio para que a galera preencha uma tabela resumo!!
Mãos a obra galerinha!!



BIOequipe -  Ostra 

verme - Ancylostoma duodenale
Ancilostomose - A ancilostomose é uma helmintíase que pode ser causada tanto pelo Ancylostoma duodenale como pelo Necatur americanus. Ambos são vermes nematelmintos de pequenas dimensões, medindo entre 1 e 1,5 cm. A doença pode também ser conhecida popularmente como "amarelão", "doença do jeca-tatu", "mal-da-terra", "anemia-dos-mineiros, "opilação".
As pessoas portadoras desta verminose são pálidas, com a pele amarelada, pois os vermes vivem no intestino delgado e, com suas placas cortantes ou dentes, rasgam as paredes intestinais, sugam o sangue e provocam hemorragias e anemia. 
A pessoa se contagia ao manter contato com o solo contaminado por dejetos. As larvas filarióides penetram ativamente através da pele. As larvas têm origem nos ovos eliminados pelo homem. 

Ciclo Evolutivo

Os vermes adultos vivem no intestino delgado do homem. Depois do acasalamento, os ovos são expulsos com as fezes (a fêmea do Ancylostoma duodenale põe até 30 mil ovos por dia, enquanto que a do Necator americanus põe 9 mil). Encontrando condições favoráveis no calor (calor e umidade), tornam-se embrionados 24 horas depois da expulsão. 
A larva assim originada denomina-se rabditóide. Abandona a casca do ovo, passando a ter vida livre no solo. Depois de uma semana, em média, transforma-se numa larva que pode penetrar através da pele do homem, denominada larva filarióide infestante. 
Quando os indivíduos andam descalços nestas áreas, as larvas filarióides penetram na pele, migram para os capilares linfáticos da derme e, em seguida, passam para os capilares sangüíneos, sendo levadas pela circulação até o coração e, finalmente, aos pulmões. 
Depois, perfuram os capilares pulmonares e a parede dos alvéolos, migram pelos bronquíolos e chegam à faringe. Em seguida, descem pelo esôfago e alcançam o intestino delgado, onde se tornam adultas. 
Outra contaminação é pela larva filarióide encistada (pode ocorrer o encistamento da larva no solo) a qual, se é ingerida oralmente, alcança o estado adulto no intestino delgado, sem percorrer os caminhos descritos anteriormente. 

Sintomas

No local da penetração das larvas filarióides, ocorre uma reação inflamatória (pruriginosa). No decurso, pode ser observada tosse ou até pneumonia (passagem das larvas pelos pulmões). Em seguida, surgem pertubações intestinais que se manifestam por cólicas, náuseas e hemorragias decorrentes da ação espoliadora dos dentes ou placas cortantes existentes na boca destes vermes. Estas hemorragias podem durar muito tempo, levando o indivíduo a uma anemia intensa, o que agrava mais o quadro. 
Poderão ocorrer algumas complicações, tais como: caquexia (desnutrição profunda), amenorreia (ausência de menstruação), partos com feto morto e, em crianças, transtornos no crescimento. 

Prevenção

As principais medidas de prevenção consistem na construção de instalações sanitárias adequadas, evitando assim que os ovos dos vermes contaminem o solo; uso de calçados, impedindo a penetração das larvas pelos pés. Além do tratamento dos portadores, é necessária uma ampla campanha de educação sanitária. Caso contrário, o homem correrá sempre o risco de adquirir novamente a verminose.

FONTES:

http://saude.psicologiananet.com.br/infeccao-intestinal-por-ancilostomo-ancylostoma-duodenale-necator-americanus.html http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos2/Ancilostomiase.php



BIOequipe - Coral
Verme:Enterobius Vermicularis 

Filo: Nematódeos 

Tamanho: as fêmeas medem cerca de 1 cm de tamanho (8 a13 mm) e possuem a cauda longa e afilada. Os machos medem cerca de 3 a 5 mm de tamanho e tem sua extremidade posterior enrolada no sentido ventral. 

Doença:Enterobíase ou Oxiuríase 

Habitat (no corpo dos hospedeiros):o verme pode ser encontrado no intestino grosso, ceco e apêndice. 

Transmissão: A transmissão da doença é variada. Pode ser de forma direta, onde a criança ao coçar a região anal, coloca a mão infectada pelo verme na boca. Também pode acontecer indiretamente pela contaminação da água ou alimento, ao cumprimentar uma pessoa que esteja com a mão suja contendo ovos do verme. É muito comum, em ambientes que possuam pessoas que tenha a doença encontrar ovos do verme em roupas de cama, nas toalhas, no chão e nos objetos da casa, sendo frequentes as pequenas epidemias entre aqueles que habitam a mesma residência. 

Sintomas: A enterobiose pode causar diversos sintomas no indivíduo, tais como diarréias contendo muco, cólicas abdominais, náuseas, vômitos, prurido anal intenso (sintoma mais marcante), inflamação da região anal. Alteração do humor e perturbação do sono, também são sintomas comuns. 

Profilaxia: 

*Higiene pessoal 

*Uso correto dos sanitários 

* Cuidados referentes à alimentação e à água, etc 

Ciclo de vida do verme: 

Os vermes adultos vivem no intestino grosso e, após a cópula, o macho é eliminado. As fêmeas fecundadas não fazem ovoposição no intestino e têm seu útero abarrotado com aproximadamente 11.000 ovos. Em um determinado momento o parasita se desprende do ceco e é arrastado para a região anal e perianal, onde se fixa e libera grande quantidade de ovos. 

E. vermicularis é o parasita de maior poder de infecção, pois seus ovos necessitam de apenas seis horas para se tornar infectantes. 

Ao serem ingeridos, os ovos sofrem a ação do suco gástrico e duodenal, libertando as larvas que se dirigem ao ceco, onde se fixam e evoluem até o estágio adulto. A duração do ciclo é em média de 30 a 50 dias. 
Fontes 






BIOequipe - Lesmas


Nome do verme -Taenia Solium 

Filo Platelmintos 

Classe - Cestoda 

Tamanho  -Pode chegar, ao máximo, até 7 metros 

Nome da doença  -Teníase 

Habitat (no corpo dos hospedeiros) 

O hospedeiro intermediário é o porco, animal que, por ser coprófago (que se alimenta de fezes), ingere os proglótides grávidos ou os ovos que foram liberados no meio. Dentro do intestino do animal, os embriões deixam a proteção dos ovos e, por meio de seis ganchos, perfuram a mucosa intestinal. Pela circulação sangüínea, alcançam os músculos e o fígado do porco, transformando-se em larvas denominadas cisticercos, que apresentam o escólex invaginado numa vesícula. 

Quando o homem se alimenta de carne suína crua ou mal cozida contendo estes cisticercos, as vesículas são digeridas, liberando o escólex que se everte e fixa-se nas paredes intestinais através dos ganchos e ventosas. 

O homem com tais características desenvolve a teníase, isto é, está com o helminte no estado adulto, e é o seu hospedeiro definitivo. 

Os cisticercos apresentam-se semelhantes a pérolas esbranquiçadas, com diâmetros variáveis, normalmente do tamanho de uma ervilha. Na linguagem popular, são chamados de "pipoquinhas" ou "canjiquinhas". 


Nome dos hospedeiros – intermediário e definitivo 

O hospedeiro intermediário é o porco e o seu hospedeiro definitivo é o adulto. 

Forma de transmissão da doença 

Teníase 

A teníase ocorre devido a ingestão de carne suína ou bovina, que não teve os devidos cuidados de preparo, como congelamento e cozimento, contaminada com o cisticerco (canjiquinha), dependendo da espécie. 



Cisticercose 

Os portadores de teníase eliminam ovos através das fezes no ambiente, assim, por acidente, os humanos podem ingerir estes ovos e adquirir a parasitose. Além desta forma, os humanos podem adquirir a cisticercose através dos mecanismos abaixo: 

Auto-infecção externa: A contaminação é dada pela ingestão dos ovos do próprio portador de Taenia solium, em condições de falta de higiene. 

Auto-infecção interna: Pode ocorrer quando o portador de tênia vomita, nos movimentos retroperistálticos do intestino. Assim os ovos podem atingir o estômago e iniciar o ciclo de cisticercose. 

Heteroinfecção: Outro indivíduo pode contaminar a água e os alimentos com ovos de tênia. Desta forma o homem ao ingerir estes itens poderá contaminar-se. 

Principais sintomas 

Dores de cabeça e abdominais, perda de peso, alterações do apetite, diarreia, enjoos, perturbações nervosas, irritação, fadiga e insônia. 

Profilaxia 

Para combater a teníase é preciso adotar medidas preventivas que evitem ou reduzam a infestação. Algumas formas de prevenção são:

· Impedir que os ovos de tênias sejam ingeridos por animais como porcos e vacas, ou que contaminem rios e lagos, no caso de tênias-de-peixe, para isso é preciso construir instalações sanitárias adequadas, com fossas sépticas ou sistemas de esgotos; 

· Evitar comer carne crua ou malcozida, principalmente quando não se conhece a procedência desses alimentos. O cozimento mata a tênia dentro do cisticerco. 

· Saneamento básico, fiscalização, cozimento prolongado, higienização. 

Atualmente o número de pessoas infestadas por tênias tem diminuído graças à maior fiscalização sanitária de matadouros e frigoríficos. É fácil identificar um animal infestado através da análise da musculatura da mandíbula, da língua, do coração e do diafragma, onde há maior incidência de formação dos cisticercos. 


Descrição do ciclo de vida do verme 

A Taenia soluim é monóica - cada individuo apresenta sistemas reprodutores de ambos os sexo - e digenéticas - sempre apresentam dois hospedeiros em seu ciclo. 

A Taenia soluim apresenta duas estruturas o escólex ( região em que ocorre a fixação do animal no intestino do hospedeiro) e as proglótides ( o restante do corpo da tênia). 
As proglótides "gravidas" são liberadas juntamente com a fezes, depois de um tempo os ovos são liberados pelas proglótides e o porco ingere algum alimento contaminado com os ovos da tênia. No corpo do porco os ovos tem sua casca rompida e se transforma em um larva, que é conhecida como oncosfera. Essa larva rompe a parede do intestino e chega ao sangue onde se aloja na musculatura e se torna uma bolsa cheia de líquido, o cisticerco. 

O ser humano ao comer uma carne mal cozida está consumido os cisticerco, estes iriam se alojar no intestino e se transformar em uma tênia adulta. Em alguns casos esses cisticerco se alojam na musculatura ou no cérebro. Na musculatura causa-se poucos problemas, já no cérebro pode causar uma doença conhecida como cisticercose humana, que podem provocar convulsões semelhantes as da epilepsia. 

Fontes utilizadas na pesquisa 






· AMABIS, José Mariano, 1947. Biologia dos Organismos/ José Mariano Amabis, Gilberto Rodrigos Martho. 2ed. São Paulo: Moderna, 2004. 



BIOequipe - formiga


Ascaris lumbricoides



Filo: Nematódeos 
A ascaridíase é uma verminose intestinal, causada pelo parasita Ascaris lumbricoides, também conhecido como lombriga. Este verme é do filo dos Nematódeos. Os vermes, quando adultos chegam a medir de 15 a 40 centímetros. Desenvolvem-se no intestino delgado do hospedeiro, no qual a fêmea e o macho se acasalam. 

A contaminação ocorre pela ingestão de água ou alimentos contendo ovos do verme. O ciclo se inicia a partir de um hospedeiro. A fêmea consegue produzir mais de 200 mil ovos por dia, sendo que parte desses ovos é eliminada pelas fezes. A contaminação acontece quando as condições de saneamento básico e higiene favorecem o contato dos ovos com a terra, a água, e alimentos que são ingeridos. 

Após a ingestão, os ovos liberam larvas que vão para a circulação sanguínea, passando pelo fígado, coração e pulmões. Nos pulmões, instalam-se nos alvéolos pulmonares, onde absorvem oxigênio e nutrientes para crescerem. As larvas permanecem nos alvéolos pulmonares até crescerem, para então subirem em direção a faringe, de onde são engolidas novamente. Passam pelo tubo digestivo, e completam seu desenvolvimento ao chegarem ao intestino delgado, atingindo a fase adulta, se reproduzindo e dando início ao ciclo novamente. 

Os principais sintomas são tosse seca, irritação brônquica, dificuldade respiratória e febre. Em casos mais avançados, há também dor abdominal, flatulência, cólica, diarreia, náuseas, vômito e presença de vermes nas fezes. 

O tratamento é feito através de medicamentos. A medicação também deve ser acompanhada de cuidados de higiene pessoal, higiene em relação aos alimentos, água, e saneamento básico. 
Esquema do ciclo:

Fontes:
Infoescola, artigo sobre ascaridíase (http://www.infoescola.com/doencas/ascaridiase-lombriga/)


BIOequipe - lombriga

NOME DO VERME: Schistosoma mansoni 
Filo: Platelmintos 
CLASSE: Trematoda 

TAMANHO: Macho mede 6 a 10 mm. É robusto e possui um sulco ventral,o canal ginecóforo,que abriga a fêmea durante o acasalamento . Fêmea mais comprida e delgada que o macho . 

NOME DA DOENÇA: Esquistossomose 

HABITAT NATURAL e/ou HOSPEDEIRO DEFINITIVO: Os vermes adultos habitam principalmente o conjunto de vasos que liga o intestino ao fígado. 

HOSPEDEIROS: 

 Definitivo: homem 

 Intermediário: caramujos de água doce 

TRANSMISSÃO: 

Dá-se pela liberação de seus ovos através das fezes do homem infectado. Em contato com a água, os ovos eclodem e liberam larvas que infectam as águas e posteriormente o homem, penetrando em sua pele ou mucosas. 

SINTOMAS: A doença tem uma fase aguda e outra crônica. 

Na fase aguda, pode apresentar manifestações clínicas como coceiras e dermatites, febre, tosse, diarreia, enjoos, vômitos e emagrecimento 

 Na fase crônica, geralmente assintomática, episódios de diarreia podem alternar-se com períodos de prisão de ventre e a doença pode evoluir para um quadro mais grave com o aumento do fígado e cirrose. 

CICLO DE VIDA: Os ovos eliminados pela urina e fezes dos homens contaminados evoluem para larvas na água, estas se alojam e desenvolvem em caramujos. Estes últimos liberam a larva adulta, que ao permanecer na água contaminam o homem. No sistema venoso humano os parasitas se desenvolvem até atingir de 1 a 2 cm de comprimento, se reproduzem e eliminam ovos. O desenvolvimento do parasita no homem leva aproximadamente seis semanas (período de incubação), quando atinge a forma adulta e reprodutora já no seu habitat final, o sistema venoso. A liberação de ovos pelo homem pode permanecer por muitos anos.


Fonte: www.sobiologia.com.br 



BIOequipe - minhoca

Nome do verme: Wuchereria bancrofti 



Filo: Nematódeos


Tamanho: Macho +- 4 cm  & Fêmea 8-10 cm 

Nome da doença: Elefantíase ou Filariose 

Habitat: Sistema circulatório e linfático de seu hospedeiro 

Nome dos hospedeiros: intermediário - mosquito - Culex  & definitivo - homem 

Forma de transição da doença: Picada da fêmea do mosquito culex 

Principais sintomas: Inflamação dos vasos linfáticos e linfadenites, além de sintomas gerais, como febre, dor de cabeça, mal estar, entre outros. Mais tarde, por um período que pode levar meses ou anos, os pacientes podem apresentar inchaço de membros, e/ou mamas no caso das mulheres, e inchaço por retenção de líquido nos testículos no caso dos homens. 

Profilaxia: proteger-se dos mosquitos transmissores usando repelentes e campanha para exterminar o transmissor. 

Descrição do ciclo de vida do verme: A reprodução sexuada produz ovos com características peculiares: a casca é bastante delgada e complacente, formando uma bainha, permitindo que o embrião tome forma alongada e tenha movimentação própria. Esse embrião móvel é chamado de microfilária .



Fontes: Porta São Francisco, Wikipédia, minhavida.com.br

BIOequipe - carrapato
Nome do verme – Ancylostoma brasiliensis
 Filo Nematódeo

 Tamanho
A fêmea possui de 9 a 15 mm de comprimento, com as duas extremidades distendidas e o poro genital na metade do corpo; o macho possui de 7 a 10 mm de comprimento com a extremidade posterior na forma de bolsa copuladora, onde se abre a cloaca.
 Nome da doença – Dermatose do bicho geográfico

Habitat - Intestino nos cães e gatos e pele no homem.
 Hospedeiro intermediário: homem.
Hospedeiro definitivo: cão e gato.
Forma de transmissão da doença
Penetração da larva através da pele devido ao contato com fezes de animais (cão e gato).
 Principais sintomas -
Irritação na pele, com coceira intensa e deformação da pele com linhas avermelhadas.
 Profilaxia -
Evitar andar descalço em solos úmidos desconhecidos e evitar levar cães e gatos para a praia ou tanques de areia onde há circulação de pessoas.

Descrição do ciclo de vida do verme e esquema com desenho -

Vermes adultos vivem no intestino de cães e gatos. Os ovos são liberados e misturam-se com as fezes do hospedeiro. Que ao defecarem eliminam os ovos de onde eclodem as larvas que ficam no solo. Estas larvas penetram na pele do cão ou do gato que vão para o intestino e reiniciam o ciclo. Se penetrarem na pele humana, ao deslocarem-se deixam linhas avermelhadas e o ciclo não se completa.

 Fontes de pesquisa
http://www.brasilescola.com/doencas/dermatose.htm
http://adivaldofonseca.vet.br/2011/wpcontent/uploads/5_Parasitoses_de_Caes_e_Gatos.pdf
www.inedi.com.br/.../20120627085352_Filo%20Nematoda




BIOequipe - CAMARÃO


1. NOME DO VERME: Taenia saginata. 
2. FILO: Platelmintos. 
3. CLASSE: Cestodas. 
4. TAMANHO: Se nada interromper seu desenvolvimento, podem alcançar um comprimento superior a 10 m. 

5. NOME DA DOENÇA: Teníase.

6. HABITAT: Intestino delgado do homem. 

7. NOME DOS HOSPEDEIROS: Intermediário ->boi 

                                            Definitivo -> homem

8. FORMA DE TRANSIÇÃO DA DOENÇA:
Quando o homem se alimenta de carnes bovinas cruas ou mal cozidas contaminadas. 9. PRINCIPAIS SINTOMAS: 
Compreende sintomas variáveis desde dor abdominal leve, até nervosismo, insônia, anorexia, perda de peso e outros distúrbios digestivos. 

10. PROFILAXIA:
Inclui o saneamento básico (tratamento de água e esgoto), a fiscalização das carnes de boi, o cozimento prolongado da carne antes da ingestão, o tratamento de doentes e bons programas de educação e sensibilização incentivando bons hábitos de higiene no dia a dia. 

11. DESCRIÇÃO DO CICLO DE VIDA DO VERME E ESQUEMA COM DESENHOS: 

Um ser humano infectado pode eliminar milhões de ovos diariamente, livres nas fezes ou como segmentos intactos, cada um contendo cerca de 250.000 ovos, e estes podem sobreviver no pasto por vários meses. Após a ingestão por um bovino suscetível, a oncosfera segue pelo sangue para o músculo estriado. Ela é primeiro macroscopicamente visível cerca de 2 semanas depois como uma mancha pálida semitransparente com cerca de 1mm de diâmetro, mas não é infectante para o homem até cerca de 12 semanas mais tarde, quando atingiu seu tamanho total de 1cm. Até lá ela fica englobada pelo hospedeiro em uma capsula fibrosa fina, mas apesar disso o escólex geralmente ainda pode ser observado. A longevidade dos cistos varia de semanas a anos. Quando eles morrem, geralmente são substituídos por uma massa caseosa enrugada, que pode tornar-se calcificada. Tanto cistos vivos quanto mortos frequentemente estão presentes na mesma carcaça. Seres humanos infectam-se por ingestão de carne crua ou inadequadamente cozida.


valeu!!
BIObjs - profe. Lú

Nenhum comentário:

Postar um comentário